Resident Evil para Game Boy Color


A Capcom estava querendo lançar um Resident Evil para portáteis, e na época, o que estava bombando era o Game Boy Color, que veio antes do Game Boy Advance. Então eles optaram por fazer o primeiro Resident Evil da série para o GBC. Acontece, que como o GBC não tem recursos suficientes para um jogo do porte que eles tentaram fazer, acabou ficando ruim e eles cancelaram. Mas um colecionador conseguiu ter acesso as cópias, arrecadou dinheiro e disponibilizou para o público.



Dizem por aí, que o jogo tem versões das quais você não consegue jogar com o Chris, apenas com a Jill. Enfim, eu peguei uma versão no Mediafire e coloquei no meu Supercard. No meu jogo, você consegue jogar com os dois personagens.  



Por ser um jogo inacabado, ele tem algumas falhas: a música é sempre repetitiva, a jogabilidade é ruim, os zumbis não caem no chão, eles ficam ajoelhados, e por isso fica difícil saber se estão mortos ou não. Empurrar objetos ficou muito difícil, não se sabe o que é item e o que não é item no cenário. O gráfico ficou bem esquisito. Armas tem munições infinitas, então você não tem mais aquele medo de acabar munição e ter que achar. 



Algumas salas não estão disponíveis para serem abertas, a maioria das CGs foram substituídas por telas na estática. Na sala de jantar, nem tem aquela grande mesa. Não é possível zerar o jogo, pois na parte que você liga o elevador, não é possível usá-lo. O jogo até tem elementos bons para o portátil, mas realmente tem uma jogabilidade que torna difícil querer permanecer no jogo. 


A história em si não mudou, mas até para ler arquivos ficou difícil. 

Em breve trarei mais curiosidades sobre a saga. Quem tiver interesse em testar essa versão, não é difícil encontrar o download na internet.

Tecnologia do Blogger.